Ricardo Pinto                                                                     RETORNO
A Federico Garcia Lorca

Poesia
A Federico Garcia Lorca
 

É em sangue que te vejo morrer Federico. Mergulhado,
qual garrafa a boiar num mar rubro de sangue,
como a voz inflamada com que gritaste por Ignacio,
como a lágrima triste que jorraste por quem te custou ver partir.

Estás belo, assim.
É com tinta cor de sangue que te desenho
entre as palavras dos teus versos. 
Estás vestido de sofrimento,
com fios ensanguentados nos cabelos.

Só agora te conheço. Só agora a tua voz se faz audível.

Quero afogar-me no teu sangue,
beber-te as veias e viver nas tuas palavras.

 

 

Poesia
A Federico Garcia Lorca