Miguel Torga Crónicas     RETORNO
Já nem Sei Já nem sei Profecia
Coimbra, 16 de Janeiro de 1957
Diário VIII

Já nem sei. Se calhar sou eu que estou errado, 
e torço a vida que os outros levam direita.
A tragédia é que não posso mudar.
Anquilosei-me nesta posição de opositor, de ovelha ranhosa,
e não há forças de fora ou de dentro
capazes me integrar no chouto descontraído do rebanho.

Lá vou na cambulhada,
mas nem adiro ao aceno gordo do pasto,
nem à paternal idade alimentícia do pastor.
Sigo como se caminhasse de costas, a ver
o cansaço, o tédio e a poeira de uma caminhada inútil e comprida
como um pesadelo.

 

Miguel Torga
Já nem Sei
Coimbra, 16 de Janeiro de 1957
Diário VIII


Crónicas
Já nem sei Profecia
RETORNO   Início
à Página anterior Acessos  Alertas Apoios Crónicas Desenhos Dicas Esculturas
Fotografia  Fotos  Informática Pintura Poesia Português Quem Somos Sugestões Textos