Faro Barros Textos RETORNO
em 20080603 Talvez

 

Talvez que nem fosse assim
talvez fosse mesmo o contrário
Porque eu, cá por mim,
sei que nunca se sabe
a ponta deste rosário.


É como chover
no molhado


E lá vem aquele dia
que me recorda
o passado.


O que por um lado,
sem dúvida,
me acrescenta o futuro
e me deixa
eu sei lá!


Pasmado?
Abismado?
Como é que eu pude?


Fico tenso
dou-lhe a volta
transporto-o de lá p'ra cá.
Não era passado não...
Sinto que foi doutro modo


Talvez... eu penso...
talvez nem fosse na recta
que a vida tem muitas curvas
e muitas bem apertadas


Disso me recordo bem
ser numa descida da vida.
Coisas que acontecem,
cada qual sabe de si
Aí! Vida!

Pregas-nos cada partida!

 

Mas não...
Me lembro agora
(e é bem claro)
que aconteceu na subida.
Estava a atingir o cume
mesmo prestes a alcançar.

 

Deste lado era o presente.,,.
passado.
Ali em cima
o futuro
que procuro

 

Mas seria?

Será?

Foi?

 

E de novo;

Eu sei lá!

 

São cinco horas da manhã...

 

Talvez se eu fosse dormir...

 

 

Faro Barros

20090415