Agostinho da Silva Crónicas RETORNO  
Faro Barros Encontros
Agostinho
Autoestrada

                                                                            
Agostinho da Silva

É quarta-feira, hoje, ao fim do dia ...

Agostinho da Silva falou há dias... falou há dias, quando era vivo e podia falar...

Falou do que sabia, e do que não sabia... e daquilo que imaginava que sabia... ou somente suspeitava.


E o mundo de Agostinho da Silva era grande, e era Quinto Império... português de todo o mundo.

e hoje? Qual o mundo de Agostinho da Silva?

Os vinte volumes a preto e branco que deixou?... A cova funda, rectangular e escura onde jaz defunto?

Ou o espaço aberto... infinito, brilhante, nacarado e puro... repleto de Viriatos, Gamas, Camões e ninfas etéreas... dos sonhos mais diversos?! ...

 

Ou será que é somente esta evocação efémera e rara que eu e tu... e todos nós... temos ocasionalmente, a propósito de uma notícia impressa ou de uma lembrança oca, como esta de uma quarta-feira, hoje, ao fim do dia?!

Faro Barros


     
RETORNO  
à Página anterior
               
Acessos Alertas Apoios Crónicas Desenhos Dicas Esculturas
  Fotografia Fotos  Informática Pintura Poesia Português Quem Somos Sugestões Textos