Faro Barros Textos RETORNO  
Pesadelos Pesadelos
na data 20080819
 

 Acordou aos saltos. Parecia doido!

Correu para o quarto de banho, olhou-se ao espelho... deitou a língua de fora, tanto quanto podia... e em seguida escancarou a boca e os olhos, e espreitou a figura dentro do espelho, algo baça e mal iluminada.

A luz, de cima, acentuava-lhe a caveira alta e magra. O cabelo, escasso, quase branco, caía pelos lados, em guedelhas, em contraste com a pele vermelha... escura... tumefacta da respiração impossível.

Com a mão direita meteu o polegar e o indicador pela boca dentro, desesperado, até chegar à garganta e, com mais um esforço, conseguiu agarrar a ponta e puxou. 

O rato saiu, pequeno, é certo, mas ainda a mexer-se... mal vivo... ou mal morto, depende dos pontos de vista, pois a fronteira era escassa naquele pequeno corpo peludo, pegajoso... molhado... fracturado e torcido da mastigação impossível.

 
  Faro Barros  
  19941113  

     
RETORNO  
à Página anterior
               
Acessos Alertas Apoios Crónicas Desenhos Dicas Esculturas
  Fotografia Fotos  Informática Pintura Poesia Português Quem Somos Sugestões Textos